©2019 por Imagine.Acredite

Buscar
  • Sérgio M. Botelho Júnior

Padre Luiz de Menezes: Uma vida dedicada a levar esperança

Atualizado: 29 de Jul de 2019

Quem o ver transitar pelas ruas não imagina a importância que ele tem no combate mundial as drogas. Com seu jeito sorridente, simples e muito tranquilo, o padre Luiz de Menezes preside atualmente todas as 140 unidades da obra social que é popularmente conhecida por Fazenda da Esperança. Presente em 23 países do globo terrestre, a obra, segundo seu presidente, já pode ser considerada como um movimento da Igreja Católica de Roma que executa um grande pacto de transformação social.


Com mais de 37 anos, o projeto Fazenda da Esperança teve um começo muito difícil, tanto que seu presidente considera o seu crescimento como o resultado da ação divina. “Quando cheguei, só tinham somente três unidades e eu presenciei Deus fazer crescer. Tanto que hoje são 140 unidades da Fazenda da Esperança em 23 países, e eu sou uma testemunha de que Deus, nos tempos de hoje, continua realizando a sua obra”, comenta.


Vale lembrar que o projeto nasceu em 1983, por meio de pessoas como o frei Hans Stapel Ofm e o religioso Nelson Giovanelli, na cidade paulista de Guaratinguetá, após o pedido de ajuda de jovens imersos no mundo perverso das drogas. Foi a partir dali, que a obra tomou proporções inimagináveis e se tornou a maior comunidade terapêutica da América Latina, a qual salva vidas mergulhadas em vícios da humanidade ensinando o valor do trabalho, da comunhão, e do amor próprio e ao próximo.


Diante disso, surgem as seguintes perguntas: Quem é o homem por trás do título de Presidente Internacional da Fazenda da Esperança? De onde ele vem? Quais valores carrega? Quem são suas referências? Como ele chegou lá e o que será da obra nos próximos anos? Para responder a essas perguntas é necessário viajar até as origens do padre Luiz, situadas no interior do município de Lagarto, mais precisamente no povoado Pé da Serra do Quí.


A origem


A comunidade rural, assim como muitas outras Brasil afora, é composta por famílias humildes e com fortes vínculos religiosos. E é lá que, há pouco mais de 40 anos, residia grande parte da família do padre Luiz, composta por um casal e sete filhos. Naquele seio, a mãe era responsável por transmitir valores morais e religiosos, enquanto o pai, que exercia o posto de liderança comunitária, buscava guiar os seus filhos por meio de exemplos e testemunhos.


“Então essa base familiar foi muito importante, principalmente, no testemunho dos dois na vida junto à comunidade, na participação da igreja e também no testemunho em casa. Eles sempre diziam, quando a gente escutava algum palavrão ou imitava alguém de fora: “Olha, você só pode fazer isso se ver a gente fazendo!”. Então eles cobravam da gente uma coerência para seguíssemos o exemplo deles e isso implantou em mim uma base, pois tive neles esta referência”, relembra o sacerdote.


Além disso, foi na zona rural de Lagarto, que o jovem Luiz de Menezes aprendeu o significado de uma das palavras mais importantes na construção e fortalecimento do projeto Fazenda da Esperança: a perseverança. Tal ensinamento foi aprendido nos caminhos para a nova escola, localizada a 6 km de sua casa, no povoado Colônia Treze, onde cursaria o ensino fundamental e sentiria na pele as dificuldades que um pobre enfrenta para adquirir conhecimento.


“Eu precisava ir de bicicleta todos os dias com dois irmãos. Na 5º série foi normal, um show! Na 6º série, eu fiquei sozinho, porque meus irmãos foram para a cidade e eu fiquei sozinho indo e vindo, e isso foi uma primeira prova de ser perseverante, de querer estudar. Às vezes, caia da bicicleta, machucava, vinha o medo e vontade de desistir, mas havia algo que vinha e me impulsionava. Então essa foi a maior dificuldade de enfrentar o desafio dos estudos no interior. Mas consegui superar com a força de Deus e o apoio da família”, conta.


Ainda na breve entrevista que concedeu ao site www.imagineacredite.com.br, Menezes lembrou que, apesar de ter se comportado como toda e qualquer pessoa na infância e na juventude, sempre sentiu o desejo de ingressar na vida sacerdotal. Contudo, tal desejo somente se tornou realidade, após uma tentativa fracassada de vencer na vida em São Paulo e o retorno para a capital sergipana, onde residiu com a irmã e conseguiu trabalho em uma rede de supermercados.


“Lá, comecei a participar de um grupo de oração na paróquia. Isso foi muito forte, porque renasceu o desejo de me tornar padre, ai procurei o padre Mario, em Lagarto, e me manifestei até ele. Mas para chegar até ele, procurei Dona Judite, minha prima, ai disse que gostaria de falar com o padre Mario. Ela já conhecia a história dos meus irmãos, que já eram casados, ai ela: “Você veio aqui para falar do seu casamento?”, respondi: “Não, é uma experiência diferente, talvez um seminário”. Nisso, imagine a alegria dela! Depois disso, ela já me levou até Dom Mario, já apresentou e já me ascendeu todo aquele incentivo”, relata.


O desembarque na obra social


Diante do famoso e rigoroso padre Mario, Luiz de Menezes passou um processo de acompanhamento pessoal, espiritual e vocacional, o que o fez ter força e coragem para encarar o celibato. Entretanto, diferentemente de muitos outros padres, o jovem não foi para um seminário, como é de costume, mas para a Fazenda da Esperança, onde dedicou um ano a vivência da palavra junto aos acolhidos, em Guaratinguetá.

“Vivi um ano, realmente, de descobertas de Deus, da palavra, da força da palavra, da vivência da palavra. Aqui foi onde, de fato, foi aberto um caminho totalmente novo, inesperado, em que Deus entrou na minha história”, destaca o padre que logo depois retornou a sua cidade, em 1990, a convite do então padre Mario, para edificar uma Fazenda da Esperança no município.


Foi a partir das suas ações junto à obra social, que o padre Luiz percorreu todo o nordeste auxiliando na construção e formação de novas fazendas e Grupos Esperança Viva (GEV), que prepara e conforta a família dos acolhidos pela comunidade. “Eu vi realmente florescer a obra nesta região”, completa. E foi justamente desta dedicação que veio uma das maiores surpresas da sua vida: a vitória na eleição para Presidente Internacional da Fazenda da Esperança.


“Entendo que foi um chamado de Deus, porque eu não esperava que meu nome fosse escolhido. Penso que através dos frutos do meu trabalho, da vida doada, tantos hoje que são regionais e ajudam a obra, penso que assim Deus fez com que me colocassem nessa função, e a gente continua como instrumento dele”, argumenta o sacerdote que, em 29 anos de serviço dedicado ao projeto da esperança, viu o número de fazendas crescer de três para 140, em todo o mundo.


“Eu sou uma testemunha de que Deus, nos tempos de hoje, continua realizando a sua obra e ele diz que quem o segue pode realizar uma obra ainda maior. Então é uma grande obra, graças a Deus, e Deus se serve de nós e de mim também, limitadamente, mas quando nos colocamos a disposição, ele nos faz realizar. Então presencio essa ação de Deus e a gente à frente acreditando na força da palavra e vivendo os ensinamentos, temos como resultado muitos e muitos frutos”, pontua.


O combate às drogas


Segundo dados do 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, os estados que tiveram maior crescimento de mortes violentas intencionais em 2017 são rotas importantes no tráfico de drogas no Brasil. Diante desse dado, o presidente da Fazenda da Esperança lembrou que o flagelo da droga é um problema universal e a sociedade civil, diante da falta de compromisso dos governos, tem assumido determinados serviços sociais.


Contudo, em relação à obra social que preside, o mesmo afirmou que a fazenda já possui um diálogo junto ao governo, embora, em sua ótica, seja necessária a construção de uma unidade para a resolução de tal problemática. “Quando unimos forças, o resultado se torna ainda maior. Então a solução é construir unidade e relacionamento com todos os segmentos sociais e ai, quando existe isso, encontra-se solução, apoio e ajuda, e o resultado é o bem das pessoas, de seus familiares e de toda a sociedade, pois a cada pessoa que sai da dependência, evita-se a violência. Então, o caminho é todos darem as mãos e procurarem realizar o bem comum”, argumenta.


Neste cenário, o presidente internacional lembrou que as fazendas não esperam uma ação do governo sobre o problema para agir. Talvez seja por isso que a obra social tenha ganhado uma dimensão mundial, que, segundo ele, nem era esperado pelos seus fundadores. Diante disso, o padre acredita que o futuro da obra está sendo construído pelos seus membros. “Nós vamos construindo junto, fazendo uma leitura, interpretando cada iniciativa através de alguém e de alguma necessidade”, detalha.


Tal processo tem o acompanhamento da Igreja Católica de Roma, a qual reconheceu a Fazenda da Esperança como o local onde o verbo se fez carne. “Então o futuro está nas mãos de Deus e a gente ver que a nossa missão é levar esperança ao maior número de pessoas possíveis, como pediu o Papa Bento XVI”, encerra.


Por Sérgio Botêlho Júnior