Buscar
  • Sérgio M. Botelho Júnior

Instituído o Fórum Permanente de Mobilização Contra às Drogas no Brasil




Na última quarta-feira, 12, a sede da Associação Médica de Brasília (AMBr) sediou um momento inédito na luta pela prevenção e combate às drogas. É que ela sediou o lançamento do Fórum Permanente de Mobilização Contra às Drogas, instituído pelo Ministério da Cidadania.


Segundo o governo federal, a iniciativa tem o objetivo de conscientizar a população sobre temas centrais, promovendo uma reflexão da posição majoritários contrária da sociedade brasileira em relação a legalização das drogas no Brasil.


Por isso, durante o lançamento do fórum, o Ministério da Cidadania fez um chamamento para que entidades e sociedade participem do trabalho de prevenção e do combate às drogas, além de organizar uma mobilização que visa alertar à população sobre os malefícios causados pelo uso de entorpecentes.


Para o ministro da Cidadania, Osmar Terra, o Fórum Permanente vem para organizar uma frente para combater o poderoso lobby em prol da legalização das drogas no país. “Agora nós temos o lobby econômico que é poderoso, que mobiliza grandes setores de imprensa a favor da liberação das drogas, e que tem que ser enfrentado com a mobilização da sociedade. E esse Fórum é pra isso”, afirmou o ministro Osmar Terra.


De acordo com o ministro, o lobby da dita maconha medicinal tem promovido mentiras para ganhar a simpatia popular e que, por isso, entre as suas funções, o Fórum terá a missão de apresentar a verdade sobre o mundo das drogas. “Eles estão querendo liberar às drogas para trabalhar com commodities e ganhar dinheiro. Ninguém está preocupado com a saúde ou o uso medicinal da maconha. Eles querem ganhar dinheiro e não importa quantos jovens a mais irão piorar ou terem as suas vidas destruídas. Nada disso importa, pois para ganhar dinheiro eles mentem e mentem muito”, observou Terra.


Já o secretário nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas do Ministério da Cidadania (Senapred/MC), Quirino Cordeiro Jr., destacou que é por causa das drogas que o Brasil tem registrado aumento considerável do consumo de entorpecentes, de casos de dependência química, de dependentes em situação de rua, e do número de cracolândias. Por isso, o mesmo ressaltou a importância da participação social na luta contra as drogas.


“Infelizmente, o Brasil tem perdido as pessoas mais jovens para às drogas e para o narcotráfico. Nós não podemos aceitar isso! Nós tínhamos no Brasil um cenário extremamente grave em relação às drogas e o que torna isso mais grave é a existência de um movimento muito forte e contundente para a liberação das drogas. Mas o governo federal passou a enfrentar de maneira aberta esse debate com ações efetivas para evitar, por exemplo, o plantio de maconha no Brasil e com a ajuda dos senhores, nós conseguimos”, salientou o secretário.


Para Quirino, o fortalecimento de ações contrária às drogas decorrem do novo momento vivido pelo país no enfrentamento à este grande flagelo social por meio da nova Política Nacional Sobre Drogas. Uma vez que ela foi responsável por promover a abstinência ao invés da redução de danos, e por reconhecer e abraçar métodos de tratamento (grupos anônimos, de mútua ajuda, apoio familiar e comunidades terapêuticas) que têm contribuído para resgatar o dependente químico da escuridão das drogas e recoloca-lo de volta e em sobriedade no seio social.


“Não é possível falarmos em políticas públicas de recuperação de pessoas com dependência química sem a oferta de suporte para as famílias”, completou o secretário num gesto de agradecimento a entidades como a Cruz Azul no Brasil, Amor-Exigente, e Fazenda da Esperança.


Manifesto pela vida

Ainda na solenidade, uma carta aberta foi apresentada aos participantes. O manifesto pela vida e contra as drogas traz diretrizes para o encaminhamento de algumas questões na prática – como a realização de seminários, encontros, eventos temáticos e ações contra as drogas no Brasil.


De acordo com o Ministério da Cidadania, ele foi assinado por entidades, representantes da sociedade civil, pesquisadores, professores universitários, artistas e atletas que compareceram ao lançamento do Fórum.


Primeiras ações

Para além das reuniões e seminários, nos próximos dias deve ser realizadas algumas manifestações contrária às drogas nas cinco regiões do país. “Nós temos cinco municípios que são os mais violentos do Brasil, então a nossa proposta é ir lá e fazer uma grande mobilização na região norte.


Vamos fazer agora no Espírito Santo, em Cariacica; no Sul é São José dos Pinhais; aqui no Centro-Oeste é no Goiás e no Nordeste na região metropolitana de Recife. Então vamos começar a mobilizar e quando se aproximar votação para alguma coisa tanto no Congresso Nacional, quanto no Supremo, nós temos que ter a capacidade de colocar milhões de pessoas nas ruas para dizer que o Brasil não quer saber de drogas”, chamou o ministro Osmar Terra.


Presenças consagradas

Durante o lançamento do Fórum, estiveram presentes atletas consagrados como o velejador brasileiro, Lars Grael; o nadador paraolímpico, Daniel Dias; o lutador de MMA, Rodrigo Nogueira, o Minotauro; o treinador de futebol, René Simões, e o ex-jogador de basquetebol, Pipoka.


Por Sérgio Boêmio Júnior


©2019 por Imagine.Acredite